31.12.03

2003 on Fire! 7…

Cá estamos. Este é o meu lugar. O lugar do blog d’A Rata.
Não sei o que dizer, apenas que me divirto com isto. Mas o problema é que pensei que duraria duas ou três semanas o divertimento e na verdade já vai para meio ano. E ainda para mais há quem leia o que escrevo e quem teime em encher a caixa de correio. E não me arrependo. E finalmente percebo o quão agradável pode ser entrevistar. Ou então não.

30.12.03

2003 on Fire! 8…

Este será o prémio saudade! E vai repartido para JoãoHugoFaria, ManuelaMello, MuitoMentiroso e ProcuroMarido.
Com maior ou menor protagonismo, a blogosfera em 2003 não teria sido a mesma sem eles. Aqui vão os meus agradecimentos:

João, obrigado por me teres feito rebolar a rir no tapete da sala, principalmente na quinta vez que reli o que escrevias.

Manuela, obrigado pelo esforço em nos mostrar o caminho. E obrigado por ser a única que consegue escrever nos meus comment’s sem utilizar palavras obscenas amiúde.

MuitoMentiroso, que saudades das tuas perguntas. Ou então não, ou então não! E as inscrições para a GOVD (não sei se eram estas as inicias…) já fecharam?

Doutora Amélia, que se tenha casado eu até relevo, mas e então uma descrição pormenorizada da noite de núpcias? Sem bigodes, claro.

2003 on Fire! 9…

O Gato continua a feder a olhos vistos. O nono lugar deste top é extremamente injusto, mas que interessa uma distinção na Rata quando se tem o país a seus pés?
São todos bons rapazes, e o que têm feito pelo humor em Portugal é impagável.
Não se lavem, por favor.

2003 on Fire! 10…

Nesta altura é consideravelmente mais fácil sentir o vento lá fora. Muitos acusam o Paulo de necessidade de protagonismo. Se ele é Querido ou não, não vos posso assegurar, mas acredito mais em dor de cotovelo alheia. Ele é o homem que tem sempre weblog escrito nas costas, o homem dos Tops de tudo e mais alguma coisa, e portanto este top não faria sentido sem ele.

2003 on Fire! 11…

Marreta neles. Malta divertida que muita falta faz por cá. Um dos primeiros blogs que li, e um dos que continuo a ler. Coisas boas não cansam.

2003 on Fire! 12…

O Dicionário do Diabo apareceu após o desaparecimento da Coluna Infame. Mesmo que uma boa novidade não apague a tristeza de uma sentida perda, o cabelinho beto do Mexia (ó se mexia…) ajuda e muito.
E depois o blog tem um template giríssimo, não acham?

Portem-se mal, mas com classe!
Rata

2003 on Fire! 13…

O Provérbios é para mim bem catita. As jovens que lhe dão vida mostram que isto de ter blogs pode ser uma coisa para todas as idades.
Para a Catarina, a Inês e a Thita um beijinho especial. E que 2004 vos traga muitos namorados!


Portem-se mal, mas com classe!
Rata

Top 2003

Os próximos 13 posts catalogarão aqueles que para mim foram treze marcos na blogosfera de 2003. Cada blog referido terá uma pseudo-classificação associada e serão apresentados separadamente para que os leitores possam fazer um comentário distinto a cada.
Esta pseudo-classificação foi sujeita a várias pressões, inclusive de mim própria, que teimei para comigo que o meu blog teria que fazer parte desta lista.
Totalmente imparcial, portanto!

Portem-se mal, e aproveitem para criticar!
Um 2004 cheio de muito para todos vós!

Rata

29.12.03

As entrevistas da Rata

De regresso ao convívio entre os mais jovens, e após várias tentativas, lá consegui arranjar um furinho na agenda do Chabregas, líder estudantil de renome.
E assim foi:

Rata – Boa noite, Chabi.
Chabregas – Olá miúda. Tudo bem contigo? Em que posso ser útil? Já propinaste?
Rata – Olá. Chabregas, gostaria de falar sobre a actualidade da tua academia e sobre toda esta situação que a última reunião que fizeram despoletou por esse mundo fora.
Chabregas – Na boa, miúda. Curto a tua camisolinha. Lindo decote…
Rata – Chabi, é mesmo verdade que poderá não se realizar a Monumental Queima das Fitas em 2004?
Chabregas – É. É verdade. Mas numa boa, podes cá vir na mesma e ficas na minha casa. Não há problema. Quero-te à vontade. Essa saia é bem catita…
Rata – Mas estás consciente da revolta no Mundo e até mesmo em Portugal que esse cancelamento da Queima das Fitas irá causar, não estás?
Chabregas – Tou. Eu bebo, mas tou sempre consciente. Não te preocupes…
Rata – A academia ficou triste por ter ficado fora da mensagem de Natal de João Paulo II, não ficou? Contavam com o apoio dele, não contavam?
Chabregas – É, a gente nós a malta contava, mas acho que ele não curtiu muito a cena de não haver concertos e essas coisas. Mas a gente tinha que arriscar…
Rata – Mesmo sem o apoio de João Paulo II, Kofi Annan fez questão de levar o assunto à Assembleia Geral das Nações Unidas e isso foi uma vitória da diplomacia academista.
Chabregas – Pois foi. O mano é um tipo porreiro. Curto largo o black. Embora aquela mania de estar sempre a ouvir EMINEM não seja lá muito saudável. Tens onde ficar cá, hoje?
Rata – Onde o apoio às vossas ideias se fez mais sentir foi nas ruas de Pyong Yang. Acham que o apoio do governo de Kim Dae-Jung vos poderá ser útil?
Chabregas – O Governo de quem? Mas o governo não é do Portas? Quem é esse gajo? Nunca ouvi falar dele. Olha lá, não trouxeste umas amigas?
Rata – Para a imprensa mundial, a captura de Saddam Hussein foi prejudicial às vossas pretensões. Concordam?
Chabregas – Bom, quer dizer, o gajo foi preso, é verdade, mas o gajo também não ia muito com a nossa cara. O pessoal da GNR que foi para lá também não ajuda. Ainda o faziam soprar mais ao balão que a nós por alturas da Queima…
Rata – Mas Bin Laden é o vosso principal aliado, tendo em conta que Bush e Blair não vos apoiam por respeito ao apoio do nosso governo à causa iraquiana…
Chabregas – Chiu, miúda. Fala baixo, que aqui os copos têm ouvidos. Bin quê? Eu não conheço esse gajo, não sei onde ele está e nunca falei com ele. E se ele disser o contrário é mentira.
Rata – Mas o atentado em Chelas e o rebentamento dos esgotos na via pública foram reivindicados pela Al-Qaeda e os cartazes que lá apareciam eram vossos. Aqueles ‘Não Pagamos!’ tinha a vossa cara.
Chabregas – Chelas, eu? Mas tu sabes umas coisas! Olha lá, tu por quem és? Eu não tive nada a ver com aquilo em Chelas. Eu nem percebo nada de explosivos, e nem fui eu que subornei a gaja da câmara para obter as plantas, ouviste? Eu nem sei que Chelas fica em Lisboa.
Rata – Pronto, está bem, não se fala mais nisso. Diz-me só outra coisa. A Dra. Ana Gomes teve uma intervenção pública em que deixou claro que vos apoiava incondicionalmente. Já tiraram dividendos disso?
Chabregas – Quê? Ela fez isso? Não acredito. Não pode ser. Aquela lontra tá do nosso lado? Não pode ser. Agora estamos tramados. Ela consegue virar a opinião pública contra nós em dois tempos se começa a apoiar-nos. Ai o raio da mulher. Será que não há ninguém que a extradite para Timor?
Rata – Mas a academia tem na manga mais algum apoio internacional à causa estudantil?
Chabregas – Por falar em mangas, esses bracinhos são muito fofos…
Rata – Chabregas, apoios? Haverão mais apoios?
Chabregas – Pois, apoios… olha já que me falas em apoios, estou aqui a reparar numa coisa desde que começaste a falar. Tu não usas daqueles sutiens wonderbra que seguram tudo e mais alguma coisa, pois não? Tás a perceber?
Rata – Estou a perceber estou. Não, não uso.
Chabregas – Não? Ufa… então tu é que serias um belo apoio, mesmo que não fosse para a Academia em geral eras um belo apoio para mim…
Rata – Pois, pois. Não fujas é à conversa. Em que ficamos com os apoios?
Chabregas – Bom, nós a gente está a tentar que a malta da ETA dê conta de uns ministros. A gente até nem se importa que sejam também do partido popular que eles também têm lá.
Rata – Mas o partido cá não é bem a mesma coisa, sabes isso não sabes?
Chabregas – Pois, mas são ministros, não são? Então era numa boa…
Rata – Só mais uma coisa, se por acaso essa ideia de cancelar os festejos da Queima das Fitas for para a frente, haverão mais iniciativas contra a nova lei de financiamento?
Chabregas – Mais iniciativas? Claro que sim… nós a gente já está a tratar de uma semana lá pa Maio, que se chamará Semana das Propinas, em que vamos trazer cá umas bandas, e uns DJ’s famosos e pomos os mais novos agarrados a umas latas, e assim umas coisas inovadoras, percebes? Assim umas coisas diferentes para alegrar a malta, tas a ver?
Rata – Pois, tou a ver. E o Kofi Annan, vem abrir a pista, aposto!
Chabregas – Não sei, miúda, isso já é com os gajos que tratam das festividades. Eu não me meto em cenas dessas. E que dizes em beber um copo mais descansada em minha casa, só nós dois e uma música calminha?
Rata – Não me parece, Chabi. Tu és um amor, mas não nos estou a ver em tua casa.
Chabregas – Vá lá, anda daí…
Rata – Não. Hoje não. Fica para a altura da Queima.
Chabregas – Ok miúda, não sabes o que perdes… tenho música excelente em casa…
Rata – Até à próxima então…

Contactado posteriormente, Kofi Annan desmentiu a possibilidade de abrir solenemente as festividades deste ano da Queima das Fitas ou derivados.

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

26.12.03

Presentes

Nesta altura nataleira, todas sabemos o divertido que pode ser dar e receber! Não dar e receber no sentido berlaitês da situação, mas apenas no que a presentes diz respeito.
Não há ninguém que nunca tenha recebido umas meias. Ninguém. Bom, talvez os orfãos de pai, mãe, e avós, especialmente avós possam nunca ter sentido o prazer de receber um par de meias. Aconselho vivamente.
E uma camisolinha da Zara, da colecção do ano anterior? Nunca receberam? Embora não pareça agradável à primeira vista é uma das poucas hipóteses de se passearem com ela num shopping sem nunca avistarem ninguém vestida da mesma forma. Mesmo assim aconselho a pedirem uma de colecções com mais de 4 ou 5 anos.
E um livro de Agrura Sakora, ou poemas de Fahih Thaoba dados por uma prima intelectual que nos diz: -Vais adorar. Vai mudar a tua vida! , e nos deixa sempre a pensar: - Para o ano vou dar-te um vibrador, e vou dizer-te o mesmo!
O problema desses livros é que têm sempre folhas demasiado aspras para serem ajustados à decoração da casa-de-banho.
Outra das boas prendas é um pijaminha com um estampado piroso, da loja da D. Filomena, no fundo da rua. De preferência preto, para ajudar no ‘enterro da rata’.
Já recebi também um colar feito pela própria que gostei muito. Condizia perfeitamente com o cortinado da casa-de-banho da vizinha. Bem bom, 1 da manhã, ei!
E o que dizer de umas amêndoas de chocolate? Mesmo das que têm validade para lá de Outubro? As tias são originalíssimas nestas coisas!
Para compensar temos sempre uns chocolates para dar à tia diabética que nos ofereceu as meias. Uma lingerie vermelha para a que nos deu a roupa da Zara. Um livro da Margarida Rebelo Pinto, um qualquer, para a prima dos poemas.
Como diz uma amiga minha, temos que ser umas pás j’outras!

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

23.12.03

Votos Natalinos

Embora saiba que estariam à espera que eu viesse para aqui desejar-vos algo de obsceno e imoral para a noite de Natal tal não vai de facto acontecer. Há que ter algum respeito pela tradição e pelos bons costumes, pelo menos uma vez por ano.
E portanto aqui vai:

Desejo-vos um Natal cheio de Paz, Amor e Alegria!

E reparem bem:

Paz! Paz! Ou seja deixem-se daquela mania dos palavrões e estaladas nas vossas berlaitadas natalinas. Não chamem nomes aos vossos parceiros, ao menos nesta noite. Umas palmadinhas secas no rabiote são também dispensáveis. Evitem penetrações contra uma parede, ou de frente para o pinheiro de natal. Ajoelhem e rezem, mas em Paz!

Amor! Amor! Mais atenção aos preliminares. E por favor evitem berlaitadas com pessoas que não amam. E se não amam ninguém, masturbem-se e mostrem amor próprio. Em último caso recorram a um(a) bom(a) amigo(a), mas não o façam com um desconhecido. Nunca com um desconhecido na noite de natal. Nem que seja um sem abrigo. Deixem-se das desculpas de que foi por caridade. Ou amam ou então esqueçam.

Alegria! Alegria! Por favor, um sorriso sempre estampado nessa cara. Estejam por cima ou por baixo, de frente ou de costas, sorriam. Mesmos nos momentos mais duros, sorriam. Nada de caras de dor banhadas a gemidos! Nada de olhos esbugalhados com a respiração contida. Sempre um sorriso de alegria como se estivessem a cavalgar um doce potro nos jardins verdejantes dos Alpes Suiços e a serem fotografadas para a Vip.

É tudo o que vos desejo.

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

19.12.03

Sonhos molhados

Hoje acordei molhada. Ou húmida. Ou qualquer coisa parecida. Dos sonhos não me recordo, mas foram concerteza animados. Grandes cavalgadas, talvez.
Durante a noite os arrepios foram uma constante.
De manhã o resultado óbvio. Pingo no nariz, novos arrepios e espirros. Espirros de mulher, ainda para mais.
Agora resta-me a agenda e a chegada de alguém carinhoso que não se esqueça do ‘termómetro’ e se possível capaz de ministrar o tratamento à base de supositórios.
Quem disse que uma gripe não pode ser uma aventura?

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

16.12.03

SMS’s

Se há aspectos positivos no boom dos telemóveis, um deles é inegavelmente a possibilidade de receber mensagens que não nos são dirigidas, principalmente quando aparece o número de quem enviou a mensagem, e aí pode começar uma bela amizade...
A seguinte mensagem que recebi, indevidamente, espelha a beleza que se pode atingir nestas situações. Pena que não viesse indicado o número de quem a enviou...

K sonho k tive hoje! Sonhei k tínhamos estado num sítio onde só estavam putas, paneleiros e pedófilos! Medo! Ainda bem que foi só um sonho!

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

15.12.03

O Natal foi cancelado! They got him!

A Administração Bush voltou a pregar-nos uma partida e este ano nem direito teremos a Natal. O Pai Natal foi preso no Domingo em casa da sua Tia Krita, durante um retiro espiritual pré-natalício.
Shame on you, Mister Bush!

7.12.03

Foi alguém que pediu?

É mesmo verdade que a Maria quis responder à Nina...

Ola Rata,
Como ja escrevi no teu blog, tinha a ideia ha algum tempo de fazer… blá blá blá…
… blá blá blá… Mesmo assim vou aproveitar para escrever umas palavras para a Nina e contar-lhe a minha primeira verdadeira experiencia com outra mulher, algo que jamais esquecerei, e que podera ajuda-la a perceber as suas duvidas.
Estava no final do secundario e eu e a Carla sentiamos uma atracçao enorme por dois colegas nossos que jogavam na equipa de basket la do liceu. Ja tinhamos confessado isso uma a outra varias vezes.
Eles eram altos e tinham um corpo lindo. E eram conhecidos na escola como uns autenticos garanhoes. Uma vez uma colega minha la da escola ate me confessou que tinha estado num apartamento com mais 4 amigas dela e que so eles os dois tinham dado conta delas todas numa orgia entre todos eles.
Eu e a Carla ganhamos coragem e um dia convidamos os dois para irem assistir a um filme a casa da Carla, num dia em que os pais dela estavam para fora.
Nem eu nem a Carla eramos propriamente inexperientes, mas estavamos longe de entrar em jogos desses, mas sem percebermos, as coisas precipitaram-se, e foi uma tarde inesquecivel.
Quando eles chegaram, nos estavamos de saia curta, descalças e apenas com um topzinho curto.
A Carla era mais desenvolta que eu e quando eles chegaram, agarrou-se logo ao Gonçalo, nao lhe dando descanso. Ha primeira oportunidade, sentou-o e começou a beijar-lhe o pescoço, começando logo a tocar-lhe no sapinho, deixando-o com um tesao enorme que era bem visivel ate por fora das calças.
Eu e o Eduardo, que estavamos a conversar não demoramos muito a seguir-lhes o exemplo.
Pouco depois a Carla sentou-se em cima do Gonçalo, que lhe subiu a saia e lhe apertava muito as nadegas, alternando isso com umas fortes palmadas que a deixavam ja a gemer.
A vermos isto, eu e o Du começamos tambem a tirar a roupa. Logo que pude agarrei-me ao sapinho dele, que agora mais parecia um sapao, e chupei-o como nunca havia chupado outro.
Do outro lado, a Carla fazia o mesmo e o Gonçalo em posiçao arrojada, punha-a a gemer ao lhe passar a lingua na ratita.
Depois eles puseram-nos as duas de joelhos no sofa e penetraram-nos por tras, dando-nos umas boas palmadas.
Passado pouco tempo as coisas começaram logo a ficar complicadas porque eles trocaram quase sem se dar por ela e de repente eu estava a ser penetrada pelo Gonçalo. Eu e a Carla nao nos queixamos, e as coisas ainda pioraram.
Eles viraram-nos uma para a outra e disseram-nos para nos beijarmos. A principio eu fiquei atrapalhada, mas a Carla beijou-me com muito carinho e eu nao resisti. De repente eles passaram para segundo plano e quase nem me apercebi quando eles se vieram, tal era a vontade de acariciar o corpo da Carla.
E sei que ela sentiu o mesmo. A partir desse dia passei a olhar os rapazes e as raparigas de forma diferente. E a minha amizade com a Carla mesmo agora que ela estuda no Sul e eu no Norte será para sempre especial.



Portem-se mal, mas com classe!

Rata



Será que se pode resistir a tanto?

És os dias da minha vida,
a força que todos os dias me faz acordar,
o sorriso que me faz andar,
o olhar que me motiva,
o mexer que me abana,
a voz que me faz tremer,
o corpo que me alimenta,
a simpatia que me delicia,
a naturalidade que me deixa embasbacado,
o desleixo que me excita,
a verdade que me faz acreditar,
e a segurança que me deixa adormecer.

Linda, tu és linda, mais que demais!

5.12.03

A Causa deles

Será o blog cómico do ano. Só a presença de Ana Gomes fará concerteza a delícia dos muitos e muitos adeptos que a pára-quedista tem amealhado nos últimos tempos.
Só o facto de ela ter considerado o grupo heterogéneo, mostra por si só o potencial que este blog contemplará.
Como disse acertadamente o leitor Ravanelli, talvez o heterogéneo que a Ana fala seja um novo elemento da tabela periódica, em que os átomos estão todos encostados à esquerda!

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

2.12.03

PSPraxe

Os alunos do Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna, em Lisboa, que terão submetido caloiros a praxes humilhantes, de carácter sexual, poderão receber ordem de expulsão se for provada a veracidade dos factos denunciados à direcção nacional da PSP.
À frente desta cabala contra o bom nome e os bons costumes da comissão de praxe está Mário Xoninhas Morgado, responsável máximo desta polícia, que já mandou instaurar um inquérito aos acontecimentos.
E agora eu pergunto:
Mas por que raio é que este Xoninhas mandou abrir um inquérito? Porque provavelmente não terá mais nada que fazer, ou então terá ficado triste por não ter sido convidado a participar na dita praxe, quiçá no lugar do manequim de plástico.
Houve descriminação sexual nesta praxe? Não, porque foram praxados meninos e meninas.
Houve manipulação da ordem de entrada? Não, a ordem foi puramente aleatória.
O pénis aplicado ao manequim era ou não era grande? Era! E mesmo que todas nós queiramos sempre desvalorizar o tamanho do pénis, para salvaguardar os nossos companheiros, aposto que ninguém se queixou...
O “chantilly” dado a lamber aos jovens cadetes estava ou não estava dentro da validade? Estava!
Era ou não de boa qualidade? Era, pelo menos uma das cadetes terá perguntado no final da praxe qual seria a marca para comprar algum lá para casa.
O facto de o pénis ser de borracha trouxe algum problema à praxe? Não. Para isso contribuiu o facto de para a maior parte dos praxados um pénis plástico não ser novidade.
Foi salvaguardada a segurança dos cadetes durante toda a praxe? Sim, claro. Por alguma razão foi impedida a vários participantes a possibilidade de tocarem no pénis de borracha com outra parte do corpo que não a língua!

Então eu pergunto: Com mil raios, onde está o problema desta praxe?

Vou acabar com uma nota final sobre o subintendente Viola da Silva, director de departamento na direcção nacional da PSP. Será por acaso que o senhor é subINTENDENTE?!? Tenha paciência que não tardará a chegar a subEduardoVII!

Portem-se mal, mas com classe!

Rata