25.2.04

O menu

Aconselho vivamente umas férias nas Maurícias, especialmente se porventura fizerem questão de provar as especialidades dos Maurícios lá do sítio. Aconselho o menu que possibilita a degustação em várias posições, com troca de servente a qualquer momento.
As Mauricinhas também são engraçadas, mas a ânsia de descobrirem um pobre coitado que as traga para a civilização poluída faz com que alguma da sedução lesbiana que realmente possuem se desvaneça.
Aconselhável também a casais ‘modernos’…

Portem-se mal, mas com classe!

9.2.04

Maria Guinot

Maria Guinot é conhecida por muitos apenas pela vitória festivaleira de 84, com “Silêncio e tanta gente”.
Mas o passado que Maria Guinot quis sempre esconder é bem mais entusiasmante que a sua prestação musical.
A letra da sua música vencedora é sintomática dos prazeres a que se deleitava nos seus aposentos.
Ricardina, antiga mordomo da casa de Maria, de onde saiu em litígio em meados da década de 90, confirma as mais recalcadas suspeitas sobre a sexualidade da primorosa pianista.
Segundo a mesma, Maria convidava variadíssimas vezes conhecidos seus para visitarem os seus aposentos com o pretexto de lhes apresentar as suas novas músicas... situação que redundava sempre em alegres tardes e noites jorradas de sexo intenso e ruidoso.
Ricardina chega mesmo a dizer:

“A galhofa era tanta que o meu sobrinho Henrique ia para a porta dos aposentos espreitar pela fechadura e bater no bichito, que na altura mal sabia o que aquilo era...”

Questionada sobre a identidade dos amigos que a visitavam com regularidade, Ricardina disse que à excepção do motorista, do jardineiro e de um jovem que recolhia fundos para a Cruz Vermelha, apenas reconheceu um senhor “meio mirolho” que também cantava na televisão...

Ora posto isto, foi um caminho fácil de percorrer até chegar à conversa com José Cid, esse ícone da música paraolímpica nacional.

Quando confrontado com a inocente pergunta: “É verdade que era presença habitual na casa de Maria Guinot?” , Zé Cid respondeu de pronto: “Eu nunca participei de nenhum dos repastos dessa senhora, não conhecia os seus aposentos e nunca estive presente em nenhuma das suas orgias...”

Posto isto, não há porque duvidar da palavra do cantor...

Às vezes é no meio de tanta gente
Que descubro afinal p'ra onde vou
E esta pedra
E este grito
São a história d'aquilo que sou

5.2.04

A mina está morta!

Esta é a resposta de Xico Moleiro quando questionado sobre o futuro das minas da panasqueira.
Não adianta dizer-mos que não somos retrógrados, que somos compreensivos e até liberais, porque as evidências estão aí, meus amigos!
E o que faz o bloco de esquerda? Nada.
Se fosse para o pessoal da mina poder adoptar crianças, mesmo que extemporaneamente, o jovem baluarte Francisco, apareceria a dar voz aos minopanasqueiros. Assim, talvez a mina*, e digo talvez porque não faço a mínima ideia se é verdade, não o justifique.
E o que faz a Opus Gay? Nada!
Mas será que o volfrâmio não o justifica? O Volfrâmio, meus amigos! O Volfrâmio é o segundo melhor amigo do homem, logo depois do cão, e isso deve ter sido em conta.
E António Serzedelo? Se o chamassem de panasqueiro-mor, ele não acharia piada, mas pelos minopanasqueiros ele não faz nada. E ainda se gaba que “faltava à comunidade gay alguém que falasse por e para eles...”.
Mas onde vai parar este País, meu Deus? Passaremos para lá do Atlântico? Hummm...

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

* Mina – jovem brasileira com cabelos da hora e corpo de violão. Também conhecida por brasília amarela, pitchula, chuchuzinho e feijão com jabá.

4.2.04

A Sésamo o que é de Sésamo!

A segunda votação on-line está já disponível. A mesma terá importância substancial no futuro deste blog, que sempre se associou à causa histórica, as suas facetas mais estranhas, e ao umbigo, mesmo que desconhecido, de muitos.
Dá para perceber?
Eu sei lá se dá...

3.2.04

O Ti Samuel

Chegou ao final a primeira votação on-line deste blog. O grande vencedor foi a ‘mousse de chocolate’, embora o ‘bacalhau com todos’ tenha movido uma feroz perseguição na parte final da votação.
Pelo caminho ficou inexplicavelmente a ranha de dromedário, uma espécie de Howard Dean à moda cá do burgo!
Sim, a gelatina de tomate fez de Kucinich!
Definitivamente, os valores do antigamente estão ultrapassados, pois só assim o bacalhau, mesmo que só tivesse alguns, poderia perder. Estamos cada vez mais parecidos com a terra do Ti Samuel.

Portem-se mal, mas com classe!

Rata

2.2.04

Medo

Hoje acordei sobressaltada e não posso deixar de relacionar a situação com o medo gélido que me varreu o corpo durante todo o dia de ontem ao saber o que andam a fazer ao Mourinho.
Então agora querem mandar o único homem de jeito que anda metido no futebol embora? Mas está tudo tolo? Alguém já parou conscientemente para olhar para o Mourinho?
Não me venham dizer que eu fui a única que reparei no charme do homem! Aquela barbinha sempre por fazer deixa qualquer adepto(a) maluko(a). Eu própria não me importaria de ser treinada pelo Mourinho.
E mais, se querem mandar alguém embora porque não mandam o gajo gordo e bruto espanhol, ou o engenheiro da carapinha! Que raio de falta fazem eles? Como eles arranjam-se no Colombo ao domingo resmas de homens...
Deixem-se lá de brincadeiras, que ainda fazem o clube do Mourinho perder, o homem chateia-se e com razão, e depois quem ganha com isto são as empregadas dos supermercados dos subúrbios de Londres, e eu não quero isso...