19.9.05

Soares é fixe...


… mas não exageres, José!

Depois de meses em que Cavaco se deu ao luxo de se passear numa corrida às presidenciais orgulhosamente sozinho, mais parecendo um D.Sebastião de José Cid, eis que o avô Mário resolveu levantar-se do sofá para uma nova candidatura!
Eu cá achei bem, até porque sou a favor de tudo o que me parece poder vir a ser divertido!
E também porque não gosto daquelas corridas em que já se sabe antecipadamente quem vai ganhar, gostei da candidatura do avô Mário, tal como ainda tenho uma réstia de esperança que Ribeiro e Castro convença Freitas do Amaral a candidatar-se (deixem-me sonhar!)…
E não é que quando se começa a acreditar que Soares tem algumas hipóteses de vir a dar luta, mesmo tendo que aturar os disparates de Sócrates, aparece-me isto:

Não gosto de Cavaco, e não gostaria nada de ter de aturar a senhora dona Cavaca
como primeira dama!


José Castelo Branco

Mas será que não acabam as cartas na manga de Cavaco?
Será que ainda iremos ter Elsa Raposo a suspirar pela vitória de Mário Soares? Ou Avelino Ferreira Torres? Ou Valentim Loureiro?
O saudoso Ferro Rodrigues já deverá suspeitar da teoria da “cabala montada” contra o avô Mário, disso não restam muitas duvidas!

Mas há um reparo a fazer, eu também não gostaria de ver a senhora dona Cavaca como primeira dama. Mesmo assim há que ter em conta as evidências – Portugal dificilmente melhorará pelas primeiras damas! Basta ver a Dona Maria José Sampaia, ou imaginar o que aconteceria se Santana fosse para Belém e para lá levasse Cinha Arrepio Jardim, ou Portas lá caísse de pára-quedas e para primeira dama indicada fosse ‘Catherine Deneuve’!!! Livra…

Portem-se mal, mas com classe!

P.S.- À hora da publicação deste texto, uma fonte da candidatura de Mário Soares já esclareceu que será dada uma conferência de imprensa em que Mário Soares se demarcará de todo e qualquer “desapoio” de José Castelo Branco, e onde jurará a pés juntos que não o conhece ou tão pouco falou com a dita espécie. Compreende-se…

14.9.05

Direita, esquerda, volver!!!

Uma das questões que mais vezes me colocaram foi o “és de esquerda ou direita?”, logo depois do “és do Sporting ou do Benfica?” e do “Preferes por detrás ou pela frente?”.
Ao contrário do “Sporting, claro!” e do “Por detrás, evidentemente…”, isto de se ser de direita ou de esquerda é difícil de responder…


Mesmo assim, e com o passar dos anos tenho a ideia de que não sou de direita ou tão pouco de esquerda, mas também não me acho de centro! Isto traz-me um problema gravíssimo, pois não tenho um quadrante político definido. Depois da falta de um empréstimo para a casa que todos estranham, eis-me capaz de não pertencer a qualquer quadrante político – sou uma mulher de armas!
Quem já cá anda há uns anitos sabe que não é fácil ser de direita. Quem viveu o cavaquismo à séria sabe do que eu estou a falar. Nessa altura eu era convictamente de não-direita! Mas depois chegou Guterres e desnorteou-me! Na altura pensei “que mais me poderá acontecer?”, mas juro que não pensei nunca que era Santana Lopes…
Todo este processo foi acompanhado pela presença de figuras importantes da esquerda ‘mais à esquerda’, como Cunhal, de quem passei a gostar mais nos últimos anos, provavelmente porque o cabelo lhe ficava melhor, e certamente porque falava menos, como Carvalhas, o supra-sumo de laranja da voz irritante que destrói qualquer objectivo político, e mais recentemente Louçã, que quer se queira quer não fomentou o que demais divertido se passa no país – os Gato Fedorento e a presença de Ana Drago na AR!
Agora reflictam e digam-me vocês se é fácil ser politicamente alguma coisa, ou de algum lado na política portuguesa!



Portem-se mal, mas com classe!

P.S.- Não ponho actualmente a hipótese de me associar às causas d”Os Verdes”, embora admita que me parece algo cool poder vir a pertencer a um partido que é reconhecido por defender as árvores e os caracóis! E o bicho-da-seda, já me esquecia…